Ligue

(96) 3223-5810

Segunda a Sexta

08:00 - 12:00

14:00 - 18:00

Desemprego recua levemente, já informalidade salta para 41,1%, maior taxa desde 2016

Por: STIUAP em: 31/01/2020

A taxa média de desemprego caiu de 12,3%, em 2018, para 11,9%, em 2019, mas o que mais aumentou foi a informalidade, que bateu novo recorde, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta sexta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Das 1,8 milhão de vagas geradas em 2019, 446 mil foram sem carteira assinada; e a maior parte, 958 mil, são ocupações de trabalhadores por conta própria, dos quais 586 mil sem CNPJ.

 

No trimestre encerrado em dezembro, 12,6 milhões de trabalhadores e trabalhadoras estavam desempregados. O número recuou levemente em relação a 2018 (1,7%), mas se comparado com o menor dado da série, registrado em 2014, quando o país registrou 6,8 milhões de desempregados, quase dobrou, crescendo 87,7% em cinco anos.

 

Informalidade é a maior desde 2016

 

A informalidade atingiu 41,1% da população ocupada, o equivalente a 38,4 milhões de trabalhadores. Este é o maior contingente de informais desde 2016.

 

Informais são trabalhadores sem carteira, trabalhadores domésticos sem carteira, empregador sem CNPJ, conta própria sem CNPJ e trabalhador familiar auxiliar.

 

Os sem carteira

 

- o setor privado contratou 11,6 milhões de trabalhadores - exceto empregados domésticos - sem carteira assinada, em 2019 (o aumento foi de 4% em relação a 2018 e é o mais alto patamar da série histórica iniciada em 2012).

 

Por conta própria

 

- no trimestre encerrado em dezembro, a PNAD registrou um total de 24,6 milhões de trabalhadores atuando por conta própria. A maior parte desses trabalhadores, 19,3 milhões, não tinham CNPJ.

 

São 3,9 milhões a mais de trabalhadores por conta própria desde 2012.

 

Na comparação com 2018, o aumento foi de 4,1% (958 mil).

 

Subutilização

 

O total da população subutilizada na força de trabalho, que inclui trabalhadores  subocupados por insuficiência de horas trabalhadas ou na força de trabalho potencial -, chegou a 27,6 milhões em 2019, o maior valor da série e 79,3% acima do menor patamar (15,4 milhões), apurado em 2014.

 

Trabalho doméstico

 

O número de trabalhadores domésticos chegou a 6,3 milhões, permanecendo praticamente estável em relação à estimativa de 2018 (6,2 milhões). Mas o número de pessoas com carteira assinada caiu 3%, de 1,819 milhão para 1,764 milhão, enquanto o contingente sem carteira assinada manteve-se estável, somando 4,5 milhões.

 

Emprego com carteira assinada

 

O maior destaque foi o aumento de 1,8% no contingente de empregados no setor privado com carteira assinada, em relação ao trimestre anterior, atingindo 33,7 milhões; enquanto o número de trabalhadores sem carteira assinada permaneceu estável, com 11,9 milhões.

 

No confronto com o trimestre de outubro a dezembro de 2018, houve expansão de 2,2% no número de trabalhadores com carteira (acréscimo de 726 mil pessoas); e de 3,2%, no de trabalhadores sem carteira representando um adicional estimado de 367 mil pessoas.

 

Confira aqui mais dados da pesquisa.

Fonte
Leia na integra.
 

Compartilhe com seus amigos


Leia também

Boletim cne

AS CONSEQUÊNCIAS DE UM PROGRAMA DE DEMISSÃO CONSENSUAL – PDC MALFEITO

Continuar leitura

Convênio FAMA

Na FAMA, o desconto é de verdade sem pegadinhas.

Continuar leitura

O SISTEMA ELETROBRAS: ELETRONORTE

A Associação dos Empregados da Eletrobras – AEEL, firme na batalha contra a dilapidação do patrimônio público e destruição da Eletrobras e de suas empresas, apresenta mais uma grande empresa do Sistem...

Continuar leitura